50 ANOS DEPOIS: PEÇA QUE MARCOU HISTÓRIA DO TEATRO GANHA MONTAGEM COMEMORATIVA

0
694
[metaslider id=21331]

SÃO PAULO – A partir do próximo sábado (21), o Teatro Paulo Autran, no SESC Pinheiro, recebe a remontagem comemorativa dos 50 anos da encenação do Teatro Oficina de O Rei da Vela, de Oswald de Andrade, trazendo o diretor original da montagem, José Celso Martinez Corrêa, na condução do protagonista original Renato Borghi, que também festejam oitenta anos de idade. O cenário original de Hélio Eichbauer, com direito aos mesmos palco giratório e painéis artísticos, ganham o palco da nova montagem que há 50 anos revirou a estética teatral brasileiro.

Um ano antes do período mais difícil da ditadura militar, 1967, com a instauração do AI-5 e o início de uma verdadeira caça-às-bruxas pela Censura Militar, o Teatro Oficina, após debruçar-se sobre vasta pesquisa que ia da história à política brasileira, da filosofia à sociologia, da    estética teatral aos gêneros do teatro brasileiro e deglutir todas essas informações recorreu a’ O Rei da Vela, do autor do Manifesto Antropofágico, para apresentar sua leitura, e primeira encenação do texto que completava 30 anos, assimilada do que haviam deglutido.

O Rei da Vela, iniciava, assim, um novo estilo de fazer teatro, um teatro genuinamente brasileiro, sem as amarras de nossas tentativas de, até então, copiar um modelo europeu.

Essa empreitada não foi de simples acolhida: ela sacudia com o gosto do público de teatro, geralmente formado por uma elite social e intelectual que não compreendia e nem aceitava aquele modo de colocar em contraposição o teatro popular (teatro de revista, circo-teatro etc.) e o teatro erudito (como uma ópera por exemplo) e menos ainda por tratar de um tema que colocava em cena a classe burguesa nova-rica versus uma aristocracia rural decadente, onde um banqueiro e dono de uma fábrica de velas casa-se com a filha de uma quatrocentona e decadente família aristocrática de São Paulo; a crítica, também, ficou desarmada – já que o que era apresentado, tanto em termos estéticos da encenação quanto da interpretação dos atores e da influência, explicitada no palco giratório, de companhias como o Berliner Ensemble de Bertolt Brecht – e sentiu-se um pouco retraída em emitir suas opiniões, os mais ortodoxos obviamente que não gostavam de nada do que era apresentado, entretanto críticos como Décio de Almeida Prado que se pautavam por uma crítica embasada na literatura dramática considera que “o ideal da encenação de J. C. M. Corrêa é ir sempre um pouco além do texto, ser mais Oswald de Andrade do que o próprio… o resultado é surpreendente em algumas cenas…”, o que caracteriza um modo de apreensão do espetáculo que está assustada com a novidade que se lhe apresenta. Segundo dados apontados por Fernando Peixoto da reação do público brasileiro, atores acabaram sendo agredidos verbalmente pela “espinafração”, conforme termo de Décio de Almeida Prado, “sexual, religiosa e artística”.

O rebuliço causado pela encenação também seguiu o espetáculo em sua temporada pela Europa, sobretudo na Itália. Na França, o espetáculo teve opiniões diversas da crítica, tendo o crítico mais importante do país, Bernard Dort, escrito a mais perfeita observação do espetáculo, sobre o título Uma Comédia em Transe, em que avaliava o espetáculo “um apelo raivoso e desesperado por um outro teatro: um teatro de insurreição”.

Certamente o peso histórico do espetáculo para a dramaturgia brasileira e, também, para o passo adiante do Teatro Oficina tornam a remontagem esperada e com um toque de curiosidade peculiar: estamos, espantosamente, sob o mesmo clima reacionário em relação ao sexo, à política e à religião, a diversidade está amplamente abalada por uma bancada evangélica em nosso Congresso Nacional que cultua a agressão, seja verbal e física, em nome dos “bons modos”.

Esperamos que o espetáculo, ainda, gere uma certa “indignação” de setores mais conservadores, como foi o ocorrido com o espetáculo que trazia uma transexual no papel de Jesus Cristo. Por um outro lado, também é de se esperar um salutar rebuliço na autoavaliação estética: segundo Fernando Peixoto, um dos eixos de discussão do espetáculo original era criticar uma certa cafonice do gosto pequeno burguês pela atuação e encenação à Europa. Hoje, também temos os pares dessa crítica, ou seja, nosso gosto excessivo pelos musicais norte-americanos e, também, uma reprodução no teatro do “realismo televisivo e cinematográfico”.

SINOPSE

No escritório de usura de Abelardo & Abelardo, o protagonista Abelardo I,  banqueiro, agiota, o Rei da Vela, com seu domador de feras, o empregado socialista Abelardo II subjugam clientes numa jaula – devedores, impontuais, protestados. Burguês, Abelardo faz um negócio para a compra de um brasão: casar com Heloísa de Lesbos, que se negocia como valiosa mercadoria para manutenção da família, falida pela crise do café, no seleto grupo dos 5% da elite. Abelardo I, submisso ao capital estrangeiro do Americano, no terceiro ato leva um golpe de Abelardo II, que o sucede na manutenção da usura do capital.

 

O REI DA VELA

 

Direção: Zé Celso

Conselheira poeta: Catherine Hirsh

Assistente do diretor: Cyro Morais

Elenco: Renato Borghi, Zé Celso, Marcelo Drummond, Camila Mota, Danielle Rosa, Elcio Seixas, Joana Medeiros, Regina França, Ricardo Bittencourt, Roderick Himeros, Sylvia Prado, Tony Reis, Tulio Starling e Vera Barreto Leite

Ponto: Nash Haila e Joana Medeiros

Diretor de arte: Hélio Eichbauer

Assistente do diretor de arte: Luiz Henrique Sá

Arquitetura cênica: Carila Matzenbacher e Marília Gallmeister

Diretor de cena: Otto Barros

Contrarregra: Vinicius Alves

Figurinista: Gabriela Campos

Assistente de figurino: Marcela Lupiano

Camareira: Cida Melo

Iluminador: Beto Bruel

Operador de luz: Ricardo Morañez

Sonoplasta: Andréia Regeni

Operadora de som e microfone: Rodolfo Yadoya

Diretor de vídeo e câmera: Igor Marotti

Câmera: Cafira Zoé

Estrategistas de produção: Camila Mota, Marcelo Drummond e Zé Celso

Diretora de produção: Ana Rubia Melo

Produtor executivo e administrador: Anderson Puchetti

Assistente de produção: Ederson Barroso

Comunicação e editoração do programa: Brenda Amaral, Cafira Zoé e Camila Mota

Programação visual, Design Gráfico e Ilustrações: Igor Marotti

Programação web: Brenda Amaral

Makumbas gráphicas | imagiário: Cafira Zoé  e Camila Mota

Arquivista: Thais Sandri

 

SERVIÇO

O REI DA VELA

De 21 de outubro a 19 de novembro de 2017. Sábados, às 19h e domingos, às 18h

Local: Teatro Paulo Autran (1.010 lugares)
Ingressos: R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 15 (credencial plena do Sesc: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).

Duração: 3h30

Recomendação etária: 16 anos

 

PROGRAMAÇÃO PARALELA

O REI DA VELA – ONTEM E HOJE
José Celso Martinez Correa e Renato Borghi falam sobre os 50 anos da montagem de O Rei da Vela. A mediação é de Luiz Fernando Ramos.
Dia 26/10, quinta, às 20h

Livre. Grátis. Retirada de ingressos a partir das 14h.

 

LER E RELER “O REI DA VELA”

Oficina que tem por objetivo ler e reler a peça “O Rei da Vela”, do escritor, poeta e dramaturgo Oswald de Andrade (escrita em 1933).

O trabalho será realizado em três etapas:

  • Aula aberta sobre o texto de Oswald de Andrade e seu contexto histórico, no momento de sua criação. Com Luis Fernando Ramos.

Dia 7/11, das 19h às 22h

 

  • Análise e Deglutição em Ato

Análise do texto O Rei da Vela para iniciar a oficina prática em que serão vivenciados experimentos cênicos, propondo aos participantes uma deglutição do texto original a partir da releitura da peça. Com Cibele Forjaz, professora, doutora do curso de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo (ECA/USP).  Os interessados deverão impreterivelmente participar da Aula Aberta com o professor Luis Fernando Ramos, que será realizada em 7/11.

Dirigida a atores, estudantes de teatro, dança e interessados nas artes do corpo. A partir de 16 anos. Vagas limitadas.

Inscrições a partir de 1º /11, na Central de Atendimento.

Dias 8, 14 e 15/11, das 19h às 22h.

 

 

  • Contracultura à Moda Brasileira

Tomando como base o contexto artístico e social da primeira montagem de O Rei da Vela, os críticos Carlos Calado, Manoel da Costa Pinto e Welington Andrade conversam sobre os movimentos culturais que surgiram a partir desse momento histórico e de como se deu a evolução dos mesmos nesses 50 anos que se passaram.

Dia 17/11, sexta, às 20h30.

Local das atividades: Teatro Paulo Autran

Grátis. Retirada de ingressos a partir das 13h, no dia do evento.

 

 

SESC PINHEIROS

Endereço: Rua Paes Leme, 195.

Bilheteria: Terça a sábado das 10h às 21h. Domingos e feriados das 10h às 18h.
Tel.: 11 3095.9400.

 

Estacionamento com manobrista: Terça a sexta, das 7h às 21h30; Sábado, das 10h às 21h30; domingo e feriado, das 10h às 18h30. Taxas / veículos e motos: Credenciados plenos no Sesc: R$ 12 nas três primeiras horas e R$ 2 a cada hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 18,00 nas três primeiras horas e R$ 3 a cada hora adicional. Para atividades no Teatro Paulo Autran, preço único: R$ 12 (credenciados plenos) e R$ 18 (não credenciados).

Transporte Público: Metrô Faria Lima – 500m / Estação Pinheiros – 800m

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, preencha seu nome

*