CRÍTICA: IRONIA PÓSTUMA NA VIVA INTERPRETAÇÃO DE MARCOS DAMIGO

0
540

SÃO PAULO – “Com a pena da galhofa…” e quase sem a “…tinta da melancolia” – veja bem, isso é um elogio, jamais a cobrança de que algo tenha faltado –, as Memórias Póstumas de Brás Cubas, obra-prima de Machado de Assis transformada em solo musical cômico-fantástico por Regina Galdino, revela o impecável trabalho de Marcos Damigo.

Em cartaz até 29 de setembro no Teatro Eva Herz,  o ator, ao dar vida ao narrador-defunto, utiliza-se de poucos objetos de cena e muito de seu domínio corporal e vocal para narrar a obra. Com minuciosos gestos, com densidades e ritmos preocupados em diferenciar cada uma de suas falas – afinal ele fala as palavras de nosso autor maior da nossa língua – , com irônia vivaz estampada em seu rosto, a plateia se torna cúmplice do personagem que levanta de seu caixão para narrar as peripécias de sua vida.

Entre outras coisas que fala, são hilárias as descrições de suas paixões e de seu “caso” com Virgilia. Outro ponto peculiar, reside em seu “ganha-pão” como servidor público e seu desejo em tornar-se Ministro, mesmo duvidando de sua capacidade para desempenhar tal função, que dá a dimensão de que os problemas políticos desde o século XIX ainda não foram superados.

Regina Galdino assina a direção da montagem que celebra 20 anos da encenação anterior, a qual também dirigiu, e não faz concessões para o riso fácil e “truques” facilitadores que dariam efeito certeiro, antes trilha o caminho de “montadora” dos recursos que o ator oferece. A bossa-nova escolhida como tema em um determinado momento, além de um inteligente recurso cômico ao momento, também o é uma ironia ao próprio gênero musical.

Por essas e outras, recomendo que os amantes do bom teatro não percam o espetáculo.

FICHA TÉCNICA

Elenco: Marcos Damigo. Direção e Adaptação de Texto: Regina Galdino. Música Original: Mário Manga. Direção Musical, Arranjos e Trilha Sonora: Pedro Paulo Bogossian. Figurino: Fábio Namatame. Coreografia: Marcos Damigo.Consultoria de Movimento: Roberto Alencar. Iluminação e Cenografia: Regina Galdino. Execução Cenográfica: Luis Rossi. Fotos: Lucas Brandão. Realização: Oasis Empreendimentos Artísticos.

SERVIÇO

TEATRO EVA HERZ: Livraria Cultura/Conjunto Nacional – Av. Paulista, 2073 – Bela Vista, São Paulo.
De 20 de julho a 29 de setembro, quintas e sextas, às 21h. No feriado de 7 de setembro, às 18h.
Duração: 1h20m. Classificação etária: 14 anos. Gênero: Comédia musical. Lotação da sala: 167 lugares.
Ingressos: R$ 50 (inteira) / R$ 25 (meia)
O teatro tem estacionamento, acessibilidade para pessoas com deficiência e ar condicionado.
Telefone: (11) 3170-4059.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, preencha seu nome

*