CRÍTICA: A SINGELA POESIA DE PAULO BETTI

1
956
[metaslider id=21331]

SÃO PAULO – Certamente o título, Autobiografia Autorizada, dá ao solo apresentado por Paulo Betti no Teatro Vivo, de sexta a domingo, a redutora impressão de que se trata de um compêndio de fatos curiosos acerca de um artista conhecido pelo grande público. Sim são fatos curiosos, mas não do ator famoso dos papéis marcantes das telenovelas, o Paulo criança e moleque que cresceu em Sorocaba, mergulhado na vida singela do interior.

É certo que os fatos que narra deram o miolo que preenche o ator, cuja empreitada celebra os 40 anos de uma carreira profícua em todos os veículos em que atua (teatro, TV e cinema), também é certo que a simplicidade com que dá forma ao espetáculo – a narrativa episódica que ora é prenhe de humor, ora é senhora do mais lirismo poético – é pautada na retidão de caráter do moleque que, desde que aprendeu a ler, anotava fatos que considerava importantes registrar de sua vida.

A cenografia geral simboliza a porta da casa em que viveu quando garoto, mas também o bloco repleto de anotações prestes a se verticalizar em episódios narrados em primeira pessoa ou então quando o ator assume as personas narradas. A estrutura branca do esboço da fachada de sua casa, aliado ao grande ciclorama branco no fundo do palco, também, serve para projetar fotografias do local, além de exibirem fotos – daquelas típicas em álbum de família de tempos passados – de seus antepassados.

Paulo Betti mantém a plateia o tempo todo presa feito um típico contador de histórias, aliando destreza na interpretação de diferentes personagens que habitaram sua vida, com a direta condução de um narrador que apenas cita, recorda, mas não cai na pieguice.

O humor utilizado não é a necessidade de criar graça, antes é orgânico à cena. Um momento hilário, por exemplo, é quando Betti “vive” o locutor da rádio novela, inclusive os reclames publicitários.

Enfim, Autobiografia Autorizada é uma grata surpresa que encanta ao espectador que vai ao Teatro Vivo.

Ficha técnica

Texto e interpretação: Paulo Betti

Direção: Paulo Betti e Rafael Ponzi

Elenco: Paulo Betti

Cenário: Mana Bernardes

Figurino: Leticia Ponzi

Iluminação: Dani Sanchez e Luiz Paulo Neném

Direção de movimento: Miriam Weitzman

Programação visual: Mana Bernardes

Trilha sonora: Pedro Bernardes

Fotografia: Mauro Khouri

Assistente de direção: Juliana Betti

Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação

Direção de produção: Lya Baptista

Produção São Paulo: DR Produções – Darson Ribeiro

Serviço

Espetáculo: Autobiografia Autorizada

Estreia: 11 de agosto. Sexta, às 21h30

Até 1º de outubro de 2017

Horários: Sexta (21h30), sábado (21h) e domingo (18h)

Duração: 110 minutos. Gênero: Comédia. Classificação: 12 anos.

Ingressos: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia)

Bilheteria: terça a quinta (14h às 20h), sexta a domingo (14h até o início das sessões). Aceita todos os cartões de crédito e débito.
Vendas online: www.ingressorapido.com.br (tel: 4003-1212).

 Teatro Vivo

Av. Dr. Chucri Zaidan, 2460. Vila Cordeiro. São Paulo/ SP.

Tel: (11) 3279-1520. Capacidade: 274 pessoas.

Acessibilidade. Ar condicionado. Estacionamento/valet: R$ 25,00.

Site: www.vivo.com.br/teatrovivo

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com.br)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, preencha seu nome

*