CRÍTICA: UM OLHAR SOBRE O AUSTERO AMOR DE “TERESINHA”

0
998

SÃO PAULO – Não entenda austero como negativamente inflexível, antes a Teresa D’Ávila que Lucélia Santos apresenta no solo Teresinha, Vida e Morte de Santa Teresa  D’Ávila, até domingo no SESC Santo Amaro, fixa seu olhar como “Aquela-que-não-faz-concessões” ao seu amor e esposo Deus-Jesus. Descreve os passos da menina Teresinha que virou irmã carmelita, sofreu uma doença com extrema resiliência, por acreditar e amar Àquele que considerava ser justo a ponto de fazê-la passar por uma série de dificuldades.

Como uma espécie feminina de Jó, Teresa aceita com felicidade e paciência (coisa que ela não se cansa de agradecer durante toda a peça, o dom da paciência) todas as “provas” que definem suas passagens, inclusive acredita que por ser uma alma pecadora e cheia de defeitos merecia ter uma vida mais dura, impondo-se a ter menos regalias e mais clausura já que, acredita ela, necessitar em tempo integral a autorreflexão e continuas reflexões (aqui está um dos mais celebres pensamento da mística medieval, da qual ela é uma das representantes), além de poucos cuidados com a vaidade, inclusive é uma das reformadoras da Ordem Carmelita que, doravante, é conhecida como “carmelitas de pés descalços”. Historicamente ela é a primeira doutora da igreja e fundou dezenas de mosteiros carmelitas.

Entretanto, não fosse a forma apaixonada e plena de fé cênica com que Lucélia Santos se entrega à personagem, poderia dar ao belo trabalho dirigido e concebido por Bruno Siniscalchi, menor impacto quanto à verossimilhança, ainda mais nesses tempos em que a fé, seja em Deus ou no próprio ser-humano, anda tão escassa, literalmente de pés descalços.

A cenografia, também assinada por Siniscalchi, um chão de terra, ao mesmo tempo tão belo e bem utilizado; a luz de Binho Schaefer que dialoga com a cena; a trilha caprichada de Dany Roland, enfim, muitos são os elementos que tornam Teresinha um espetáculo inesquecível, pena que teremos apenas três chances de conferi-lo.

FICHA TÉCNICA

 

concepção e direção

BRUNO SINISCALCHI

 

dramaturgia

ANDRÉ SANT’ANNA

 

atuação

LUCÉLIA SANTOS

 

luz

BINHO SCHAEFER

 

trilha sonora

DANY ROLAND

 

cenário e direção de arte

BRUNO SINISCALCHI

 

fotos

MARCELLA GARBO

WILTON MONTENEGRO

 

escultura no projeto gráfico

FERNANDO ZARIF

 

direção de produção

CLAUDIA BUENO

 

SERVIÇOS:

Teresinha – Vida e Morte de Santa Teresa D’Ávila

Quando: De 25 de agosto a 17 de setembro

Horário: Sextas, às 21h. Sábados, às 20. Domingos, às 18h.

Local: Teatro 1º andar

Duração: 90 minutos

Classificação: 16 anos

Ingressos: R$ 40,00 (inteira); R$ 20,00 (estudantes, +60 anos e aposentados, pessoas com deficiência e servidores da escola pública) e R$ 12,00 (Credencial Plena válida: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculados no Sesc e dependentes).

 

SESC SANTO AMARO

Endereço: Rua Amador Bueno, 505, Santo Amaro

Acessibilidade: universal.

Estacionamento da unidade: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional (Credencial Plena); R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional (outros).

Preço único mediante apresentação de ingresso (a partir das 18h): R$ 7,50 (Credencial Plena) e R$ 15,00 (outros).

Disponibilidade: 158 vagas para carros e 36 para motos. A unidade possui bicicletário gratuito.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, preencha seu nome

*